O Globo

Aos 21 anos, Roberto Marinho começou a trabalhar em O Globo. Conhecia tudo de jornal: a oficina, a redação, a administração. Aos 27 anos, assumiu o cargo de diretor-redator-chefe. Ali viveu os fatos mais importantes do século XX e conviveu com grandes escritores e jornalistas. A instalação, inspirada nas antigas rotativas de jornal, mostrou edições simuladas do jornal ao longo de dez décadas, dando destaque às colunas de escritores e jornalistas como Guimarães Rosa, Nelson Rodrigues, Thiago de Mello, Elsie Lessa, Rubem Braga, José Lins do Rego, Antônio Maria, Augusto Frederico Schmidt, Otto Lara Resende, Fernando Sabino, Veríssimo, João Ubaldo Ribeiro e Zuenir Ventura. Mostrou ainda colunas de literatura com textos de Mario de Andrade, Menotti Del Picchia e poemas de Carlos Drummond de Andrade, bem como cadernos especiais dos centenários de Machado de Assis, Castro Alves e Jorge Amado, além de capas do Segundo Caderno e do caderno Prosa e Verso com matérias sobre literatura e arte.

 

Na parte de trás, a instalação apresentou painéis de fotos que contaram a história do jornal sob diferentes aspectos. As instalações, os equipamentos, as equipes, os projetos de responsabilidade social, a redação e a presença de Roberto Marinho no jornal retratam a evolução e o crescimento do periódico ao longo de dez décadas. Ao lado das rotativas, uma tela de TV apresentou MINIDOCUMENTÁRIOS sobre a história do jornal e sobre o Projeto Aquarius, idealizado por Roberto Marinho em 1972.