A Noite

A Noite

Em 18 de julho de 1911, Irineu Marinho lançou um dos mais modernos jornais das primeiras décadas do século XX. Noticiosa, ágil, com linguagem acessível e ricamente ilustrada com fotografias, charges e caricaturas, A Noite conquistou imediatamente o público carioca.


O Jogo é franco!

Detalhe da primeira página com a reportagem sobre a roleta da Carioca. A Noite, 02/05/1913. Arquivo/Memória GloboOutra reportagem histórica de A Noite foi a da “Roleta da Carioca”, que denunciava a negligência da polícia contra o jogo ilegal. No dia 02 de maio de 1913, a equipe do jornal instalou uma roleta perto da redação, no Largo da Carioca, Centro do Rio de Janeiro. Um cartaz convidava os transeuntes a fazerem suas apostas: “Jogo Franco! Roleta com 32 números – Só ganha o freguês!”. A ideia era debochar da declaração que o então chefe da Polícia, Belizário Távora, havia feito à imprensa dias antes, dizendo que “não há a menor perseguição ao jogo, que está franco até que o governo resolva o contrário”. Segundo A Noite, a declaração era uma justificativa para o não cumprimento do dever da polícia de fiscalizar os jogos de azar. O jornal resolveu testar o “decreto” de Belisário Távora instalando a roleta no Largo da Carioca, em pleno meio-dia. A reportagem teve grande repercussão e serviu de inspiração, alguns anos mais tarde, para a criação do famoso samba Pelo telefone, nascido na casa da tia Ciata, na Cidade Nova.