Crescimento

Crescimento

Com o crescimento da produção de novelas da Rede Globo, a Som Livre se viu diante da escassez de intérpretes para gravar as inúmeras trilhas sonoras compostas.  Montou seu próprio cast com Djavan, Fafá de Belém, Ivan Lins, Cazuza, Fábio Jr., entre outros. Uma aposta da gravadora nessa época foram os Novos Baianos, recém-chegados ao Rio de Janeiro.


Associações Internacionais

O crescimento da Som Livre foi rápido e prestigioso. Em apenas quatro anos já era hora de expandir os horizontes. Com o sucesso das trilhas sonoras, a empresa firmou uma parceria, em 1976, com a gravadora RCA para distribuição de músicas nacionais. Os selos poderiam ser Som Livre ou RCA, desde que tivessem a indicação de ser um produto brasileiro. Também faziam parte do contrato estágios anuais de técnicos brasileiros na matriz da RCA, nos EUA; e artistas brasileiros cantando em inglês.

“Poderemos assistir a uma verdadeira explosão da nossa música no exterior. Afinal, qualidade é o que não falta.” João Araújo, produtor musical e ex-diretor-geral da Som Livre

Em 1983, a Som Livre abriu uma filial na Itália.  Foi lançada, então, a Siglaquattro, em parceria com a TV Retequattro. “Esse projeto é uma experiência vitoriosa que foi feita no Brasil e agora estamos exportando para a Itália. Uma coisa muito importante é a exportação do talento brasileiro”, afirmou, na época, João Araújo. Sobre a natureza da parceria, Roberto Irineu Marinho, presidente das Organizações Globo, declarou na época do lançamento: “A Rettequatro faz a promoção do negócio e custeia a publicidade, enquanto a Globo entra com o know-how de comercialização”.

Logo, dois anos mais tarde, a norte-americana CBS passou a fabricar e distribuir discos da Som Livre no Brasil e no exterior.

Contrato com a CBS. Nicholas Cirillo e Tomás Munóz, da CBS; João Araújo, da Som Livre; e João Roberto Marinho, 23/07/1985. Arquivo/Agência O Globo“Ao contrário do que se pensa, na Europa o Brasil não é sinônimo de samba”, declarou João Araújo sobre a abertura de um escritório da Som Livre em Paris, em 1987. Na seleção da gravadora internacional, nomes como Gal Costa, Jorge Ben Jor, Toquinho e Hermeto Pascoal. As trilhas sonoras de Dancin’ Days, O Astro e Brilhante também fizeram muito sucesso no exterior.

Com o objetivo de conquistar uma fatia do mercado norte-americano, principalmente dos latinos americanos radicados nos Estados Unidos, a Som Livre abriu, em 1987, um escritório em Nova York. A filial, batizada de Globo Group, tinha como objetivo lançar e distribuir discos nacionais, além de produzir trilhas musicais em espanhol para a Telemundo que, em troca, veiculava comerciais de divulgação da Som Livre.