Expansão

Expansão

Em 20 anos, a Rádio Globo cresceu, inovou e se tornou líder de audiência. A partir da década de 1950, o slogan “música, esporte e notícia” passou a orientar a programação da rádio. Os locutores adotaram uma linguagem mais coloquial, com objetivo de se aproximar cada vez mais do ouvinte. A participação direta do público, inovações nas transmissões de grandes eventos esportivos, e programas que abriam os microfones da rádio para celebridades foram alguns dos elementos que levaram a Globo a conquistar, em 1964, a liderança de audiência.


Fora do ar

No início do governo Juscelino Kubitschek, em 22 de fevereiro de 1956, a Rádio Globo foi fechada durante algumas horas e ocupada pela polícia, por ter irradiado notas sobre os desdobramentos da Revolta de Jacareacanga, organizada por militares da Aeronáutica que se opunham ao presidente da República recém-empossado.

Em junho do mesmo ano, a Rádio Globo foi novamente tirada do ar, dessa vez por ter transmitido discursos pronunciados na Câmara dos Deputados contra a repressão policial sofrida por parlamentares da oposição durante manifestações estudantis. A Globo ficou fora do ar por imposição do Chefe do Serviço de Censura, Major Alberto Franco, e só voltou sob a condição de tocar apenas músicas.

Em março de 1964, às vésperas do golpe militar, a rádio foi mais uma vez censurada após transmitir um manifesto do General Olímpio Mourão. Partidários do presidente João Goulart liderados pelo almirante Cândido Aragão, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais, ocuparam sua sede e a de O Globo. Eles impediram o jornal de circular e retiraram a rádio do ar por 24 horas. “Ao transmitir o manifesto para a Rádio Industrial de Juiz de Fora, transmitimos para a Rádio Globo do Rio. Cerca de meia hora depois o Almirante Aragão chegou lá para fechar a rádio, fechar o jornal, fechar tudo”, relembra o locutor Luiz de Carvalho.