Patrimônio

Patrimônio

A Fundação Roberto Marinho iniciou suas atividades, em 1977, com a Campanha de Preservação da Memória Nacional. A proposta era conscientizar a população e as autoridades para a importância e necessidade da preservação e restauração do patrimônio histórico. O slogan da campanha, exibido em comerciais na Globo, era: "Nosso passado está vivo, ajude a conservá-lo".


Memória de Minas

Restaurar as igrejas barrocas era indispensável para preservar a história de Minas Gerais. Logo nos primeiros anos, o programa Obras Urgentes recuperou a matriz de São Bartolomeu, em Ouro Perto, as igrejas Nossa Senhora do Rosário, no Serro; São Francisco de Assis, em Belo Horizonte; e a capela Nossa Senhora dos Anjos, em Mariana.  Foram restauradas também a Casa de Chica da Silva, em Diamantina, e o casario de Tiradentes.

Em parceria com a Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade e a Fiat, a Fundação Roberto Marinho iniciou o projeto de conservação da casa do Padre Toledo. Surgiu o Museu de Tiradentes, na casa onde morou o padre, que foi um dos inconfidentes mineiros.