Década de 2000

Década de 2000

A Globo chegou ao século XXI cada vez mais conectada com o jornalismo que aposta na credibilidade, isenção e transparência e com um entretenimento de qualidade e inovador. Foi destaque na cobertura dos atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos, acompanhou a campanha vitoriosa da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2002 e entrou para o Guinness, o livro dos recordes, como a maior produtora de novelas do mundo. Também estreou na transmissão de programas em alta definição e, em 2009, levou o prêmio Emmy Internacional de melhor telenovela por Caminho das Índias, de Gloria Perez. A década também foi marcada pelo estreitamento das relações entre TV e Internet. Sites de notícias (G1), sobre Esportes (Globoesporte), de Entretenimento (Gshow) e sobre a história da Globo (Memória Globo) foram lançados e transformaram a Globo.com em um dos portais e provedores mais acessados no Brasil.


Morte de Roberto Marinho

O jornalista e empresário Roberto Marinho morreu no dia 6 de agosto de 2003, aos 98 anos, vítima de embolia pulmonar. Após receber o comunicado da família, a Globo interrompeu a transmissão do jogo Goiás x Vasco da Gama, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, que estava sendo narrado por Luís Roberto, para dar a notícia aos telespectadores. Galvão Bueno, que narrava a outra partida – entre Cruzeiro x São Paulo no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, começou a proferir algumas palavras sobre Roberto Marinho quando foi surpreendido pela decisão espontânea dos que estavam no estádio – juiz, jogadores e o povo – de fazer um minuto de silêncio em homenagem ao jornalista. No estádio de Serra Dourada, a homenagem se repetiu. 

Jornal da Globo deste dia foi inteiramente dedicado ao assunto. A redação de jornalismo da Globo no Rio teve pouco mais de uma hora, após o recebimento da informação, para preparar o material que seria exibido no telejornal. Logo na abertura, veio a notícia: “A televisão brasileira está de luto. A cultura nacional está de luto. A imprensa, o jornalismo e o mundo dos homens de ideias, de empreendedores que, com seu esforço e talento, constroem este país. Todos, pessoas e instituições, que devem de alguma maneira seu fortalecimento, sua consolidação, ao trabalho do jornalista Roberto Marinho, estão de luto esta noite.” 

Um perfil do jornalista e sua trajetória como homem e empresário, ilustrado com imagens de arquivo, foi apresentado pelo repórter Pedro Bial. Homenagens dos deputados na Câmara dos Deputados e de jogadores de futebol em diversos estádios, assim como depoimentos de políticos e artistas, complementaram a edição. 

Ao longo de toda a noite, a equipe de jornalismo da Globo ficou de plantão e trabalhou nas edições dos telejornais seguintes. Durante a manhã inteira e a tarde do outro dia, foram transmitidas imagens do velório e do enterro e entrevistas com pessoas que prestavam sua última homenagem ao jornalista. Uma entrevista inédita concedida por Roberto Marinho aos filhos João Roberto e José Roberto, produzida e gravada pelo Memória Globo poucos meses antes de sua morte, foi exibida nos diversos telejornais.