Expansão

Expansão

Em 20 anos, a Rádio Globo cresceu, inovou e se tornou líder de audiência. A partir da década de 1950, o slogan “música, esporte e notícia” passou a orientar a programação da rádio. Os locutores adotaram uma linguagem mais coloquial, com objetivo de se aproximar cada vez mais do ouvinte. A participação direta do público, inovações nas transmissões de grandes eventos esportivos, e programas que abriam os microfones da rádio para celebridades foram alguns dos elementos que levaram a Globo a conquistar, em 1964, a liderança de audiência.


Música, esporte e notícia

Poucos meses após ter sido inaugurada, a emissora mudou-se para a nova sede, situada na Avenida Rio Branco, 183, no Centro do Rio de Janeiro. O Teatro Carlos Gomes servia para a transmissão de concertos e programas de auditório.

Em 1953, sob a direção do radialista Luiz Brunini, a Rádio Globo realizou uma série de modificações na estrutura da programação. A exemplo das rádios norte-americanas, passou a se basear no tripé “música, esporte e notícia”, frase que, inclusive, foi adotada como slogan. Para investir na prestação de serviços, promoveu a formação do setor jornalístico, com apoio da equipe do jornal O Globo. Foi extinto o radioteatro. Houve ainda mudanças no perfil dos locutores, que passaram a adotar um tom mais coloquial, gerando maior identificação com os ouvintes.

“Dr. Roberto participava muito da rádio, diariamente. Ele sabia o que estava acontecendo em cada departamento.” (Djalma Ferreira, engenheiro e radialista)

Seguindo a linha de que o comunicador é um amigo que fala direto ao ouvinte, passaram pelo microfone da Globo grandes nomes do rádio, como Roberto Figueiredo, Mário Luiz, Paulo Giovanni, Francisco Barbosa, Haroldo de Andrade, Edmo Zarife, Paulo Barbosa, Waldir Vieira e Paulo Lopes. 

O radialista Raul Brunini, irmão de Luiz Brunini, introduziu na emissora a reportagem sobre política parlamentar. Irradiava direto do plenário da Câmara dos Deputados o programa O Parlamento em Ação, que foi ao ar entre 1950 e 1958.

Contratado em 1961, Haroldo de Andrade passou a comandar um programa matinal que contava com a participação dos ouvintes, o Programa Haroldo de Andrade. A partir de 1967, a grande atração do radialista passou a ser o quadro Debates Populares, cujo formato foi copiado por outras emissoras de rádio. “O público começou a se manifestar, pedindo para não entrar música num horário em que tocávamos até dez discos, porque havia música em todas as outras estações. Eles queriam um programa sem música. O Debates Populares foi criado pelo público”, esclareceu Haroldo de Andrade sobre a atração, que contava com convidados que debatiam as notícias do momento.