Rio Gráfica

Rio Gráfica

A Rio Gráfica tinha sede na rua Itapiru, entre os bairros do Catumbi e do Rio Comprido, na Zona Norte do Rio de Janeiro. A editora tornou-se um dos maiores parques gráficos da América Latina. Editava revistas de grande circulação e fascículos, além de quadrinhos, como Almanaque do Mandrake, O Príncipe Valente e Jerônimo: o Herói do Sertão.


Revistas Populares

Revista Querida, 01/1955. Acervo Ed. GloboEntre as décadas de 1950 e 1960, a Rio Gráfica consagrou-se como editora de periódicos. Publicou revistas femininas como Querida, Cinderela e Garotas; de cinema e rádio, como as populares Cinelândia e Radiolândia; e reeditou a Rio. Algumas foram classificadas por idade: “Para maiores”, “Proibido para menores de 18 anos, “Para maiores de 13 anos”, “Para todas as idades” etc. A imposição era da Censura, que atendia aos apelos de juízes de menores que mandavam retirar das bancas qualquer tipo de publicação que considerassem nocivas às crianças e adolescentes.

“Roberto Marinho trazia profissionais de fora para nos ensinar o ofício. Nosso contato era direto. Ele era o homem mais importante dos quadrinhos no Rio de Janeiro, à frente do seu tempo – tanto que, do mundo gráfico, construiu o império da Rede Globo.”, afirmou Edmundo Rodrigues, criador do personagem Jerônimo, em entrevista ao jornalista Roberto Guedes, em agosto de 2012.