Empreendedor

Empreendedor

Da oficina à administração, Roberto Marinho conhecia toda a engrenagem do jornal O Globo, sua primeira empresa de comunicação, fundada pelo pai em 1925. Aos 27 anos, assumiu o cargo de diretor-redator-chefe. O Globo, que hoje forma com o Extra e o Expresso a empresa Infoglobo, foi o ponto de partida para o conjunto de empresas denominado Organizações Globo. Uma delas, a TV Globo, inaugurada quando ele tinha 60 anos, deu origem a uma das mais importantes redes de televisão do mundo. 


A imprensa é uma família

“Nesta caminhada de fazer do Globo um jornal importante, ele tinha certeza de que os grupos de comunicação deveriam ser multimídia no futuro.” (João Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo) 

O Globo, que hoje forma com o Extra e o Expresso a empresa Infoglobo, foi o ponto de partida para o conjunto de empresas denominado Organizações Globo. No discurso em sua homenagem, prestada pela Ordem dos Cariocas Honorários, em 1973, Roberto Marinho disse: “Nós, homens de jornal, trazemos desde o berço uma provisão de idealismo que, a despeito das diferenças dos nossos temperamentos e condutas, nos imprime um certo ar de família: a grande família combatente que é a imprensa.”

Desde a década de 1930, Roberto Marinho manifestava interesse no ramo da publicação de revistas em quadrinhos e de variedades. Em 1952, adquiriu a Rio Gráfica Editora. Anos depois, com a compra da Editora Globo, passou também a editar livros, além de revistas de expressão nacional, como a  Época. Em 1944, o empresário e jornalista inaugurou a Rádio Globo do Rio de Janeiro, com foco principal no jornalismo. Com o tempo, foi adquirindo outras emissoras e formou o Sistema Globo de Rádio, do qual faz parte a Rede CBN (Central Brasileira de Notícias), um grupo de emissoras all news 24 horas no ar.

 

Operador de câmera da TV Globo, sem data. Arquivo/Memória GloboSempre atento às novidades no ramo das comunicações, Roberto Marinho fundou, em 26 de abril de 1965, a TV Globo, Canal 4, no Rio de Janeiro. Em poucos anos, a emissora transformou-se na Rede Globo de Televisão: no ano seguinte, foi inaugurada a TV Globo São Paulo; em 1968, a TV Globo Belo Horizonte; e no início da década de 1970, emissoras em Recife e Brasília. Com cinco emissoras próprias e 117 afiliadas, a Rede Globo chega atualmente a 98,44% do território nacional, atingindo 5.487 municípios e 99,5 % da população. Com uma programação voltada para o entretenimento e para o jornalismo, a Globo também produz o conteúdo da  Globo News, um canal fechado com notícias 24 horas por dia.

Para manter a produção e a qualidade da programação, Roberto Marinho investiu na criação do Projac (Projeto Jacarepaguá), inaugurado em 1995. É o maior centro de produções da América Latina, com 1.650.000 m2, dos quais mais de 162.000 de área construída, dez estúdios, 7 módulos de produção e a mais moderna tecnologia digital. 

Sua dedicação à educação e à cultura se manifestou, sobretudo, através da Fundação Roberto Marinho. Criada em 1977, a Fundação, uma entidade privada sem fins lucrativos, realizou inúmeros projetos de educação, preservação do patrimônio cultural e ambiental, além da produção de programas educativos como Telecurso, Globo Ciência e Globo Ecologia. Em parceria com empresas privadas, a Fundação viabilizou o Canal Futura – a primeira TV educativa totalmente financiada pela iniciativa privada.

“Ele estava sempre disponível para o novo. Inventar, correr atrás, buscar. O risco para ele nunca foi uma coisa que o atemorizasse.” (José Roberto Marinho, vice-presidente das organizações Globo) 

Em 1991, Roberto Marinho lançou a Globosat, empresa que se dedica à produção e à transmissão de conteúdos para canais de TV por assinatura, tais como GNT e Multishow, Telecine e Sportv, entre outros. Atento às novas tecnologias no ramo das comunicações, o jornalista investiu também na internet. Em 1999, as Organizações Globo lançaram a Globo.com, que abrange portais de conteúdo de notícias, esportes e entretenimento, e o Virtua, serviço de acesso à internet via cabo.

O empresário também entrou no ramo da indústria fonográfica, com a criação da Som Livre, que produz e distribui produtos musicais, responsável por mais de cem lançamentos de títulos anuais. Lançou, ainda, a Globo Filmes, voltada para coproduções cinematográficas, e a Globo Internacional, empresa exportadora de produção audiovisual brasileira para mais de cem países.