Caça submarina

Caça submarina

Roberto Marinho tinha um fôlego excepcional. Mergulhou quase até os 84 anos e considerava o esporte uma espécie de terapia. Uma meditação em movimento. No mar, ele dizia que pensava melhor, e que as soluções para os problemas vinham na cabeça com mais clareza.


Homem no mar

Ilha Grande, na parte do costão de Lopes Mendes, lajes de Lopes Mendes, ilhote Jorge Grego, Paraty, Laranjeiras, Enseada do Sono, Laje de Marambaia e Ponta da Joatinga eram os destinos preferidos de Roberto Marinho para mergulhar. Paraty e Angra dos Reis, os melhores para a caça submarina. E um detalhe: ele não usava equipamento de respiração nos mergulhos. Era no pulmão.

Roberto Marinho e Carlos Tavares mostram o resultado da caça submarina, em fevereiro de 1973. Memória GloboUm dos grandes companheiros nas aventuras marinhas foi Carlos Tavares, campeão no fim dos anos 1950, que, em resumo, conta a caçada a um badejo em companhia de Roberto Marinho no mar de Abrolhos, na Bahia. “Eu atirei num badejo, e o peixe entrou numa racha de pedra de uns três a quatro metros. Ficou lá no fundo com o arpão, preso, e aquela pedra cheia de mariscos. Eu, sem a roupa, falei para o Roberto que ia abandonar o peixe, que não ia entrar na pedra cheia de mariscos e sair todo arrebentado. E ele disse: 'Mas você vai deixar esse badejo aí? Um badejo de 40 kg, uma coisa louca, recorde?' Você sabe que ele, com 20 anos a mais do que eu, eu campeão, e ele tirou o badejo? Ele tinha um fôlego terrível”.

O amigo e advogado Jorge Serpa conta outra história curiosa, que ocorreu no dia em que Roberto Marinho acompanhava a visita do então presidente José Sarney a Angra dos Reis:

“De repente, alguém pula do barco do presidente no mar. Um sujeito gritou: 'Homem no mar!' O homem ao mar era Roberto Marinho, que havia tomado o calção de um marinheiro e mergulhara. Ele viu peixe, mergulhou. E o sujeito chegou para Sarney: 'Presidente, é o Roberto Marinho! Pelo amor de Deus, se o Roberto Marinho morre no meu barco, estou perdido! Pare esse barco aí'.”

Ainda na presidência, José Sarney relembra outro susto dado por Roberto Marinho.

“Nós estávamos em Fernando de Noronha. Eu vi Dr. Roberto, já com 80 e poucos anos, com pés de pato, e achei que ele estivesse se vestindo para passear de barco. Quando vejo, ele se senta na beira do barco e... opa! Eu não era acostumado com esse tipo de mergulho. Ele se sentou na beira do barco e se jogou. Eu gritei: 'Dr. Roberto caiu dentro d´água!'.”