Irineu Marinho esteve, durante toda a vida, ligado a grupos, políticos e movimentos que sonhavam com uma república antioligárquica e um modelo de nação mais inclusiva. Por seu posicionamento político, viu seu jornal ser suspenso em 1914 e enfrentou quatro meses de prisão, em 1922, acusado de apoiar o Movimento Tenentista.


Civilismo

Em 1910, quando era secretário de redação da Gazeta de Notícias, Irineu Marinho apoiou Rui Barbosa e sua campanha civilista, tendo sido membro ativo da Liga Antioligárquica, criada naquele ano. Seu jornal A Noite, fundado em 1911, nasceu fazendo oposição ao presidente Hermes da Fonseca, que havia vencido Rui Barbosa num conturbado processo eleitoral. Durante os primeiros anos, o vespertino de Irineu Marinho tornou-se uma das vozes contra a política de intervenções nos estados, os atentados à constituição, o autoritarismo e a política econômica hermista.