Irineu Marinho não se deixou abater pelo golpe da perda de A Noite. Em 29 de julho de 1925, 149 dias após sua renúncia à presidência do jornal que havia fundado em 1911, lançou seu novo vespertino, O Globo.


O primeiro número

Primeiro número de O Globo, 29/07/1925. Arquivo / Agência O GloboA primeira edição de O Globo saiu às 18 horas, seguida de outra, às 20h, num total de 33.435 exemplares vendidos. Em formato standart, o jornal tinha 8 páginas e trazia colunas e seções como “Ecos” (escrita por Irineu Marinho e Horácio Cartier); “O Globo nos Theatros”, “O Globo nos Sports”, “O Globo no Operariado”, “O Globo entre as Senhoras”, “O Folhetim de O Globo”, entre outras.

Na equipe inicial do vespertino estavam trinta e três jornalistas de A Noite, que acompanharam Irineu Marinho no seu novo empreendimento. Entre eles, Herbert Moses, Antônio Leal da Costa, Eurycles de Mattos, Eloy Pontes, Henrique Gigante, Manoel Gonçalves e os caricaturistas Raul Pederneiras, Francisco Acquarone, Fritz e Bastos Tigre.