Desde o lançamento, O Globo privilegiou diversas categorias profissionais que abrilhantaram a produção jornalística ao longo dos anos. Contou com talentos na caricatura, ilustração, fotografia, colunas, seções, cadernos e suplementos. O jornal é um colecionador de prêmios em função da sua qualidade editorial e respeito ao leitor. 


Caderno Econômico / Panorama Econômico

O Caderno Econômico foi lançado no fim de 1967. O suplemento era publicado aos sábados com dez páginas. Trazia reportagens, artigos e comentários sobre a área de agricultura, indústria, comércio exterior e os principais problemas econômicos no Brasil e no mundo. O Caderno Econômico foi publicado pela última vez em janeiro de 1970. As colunas foram incorporadas à editoria de Economia.

O suplemento Panorama Econômico circulou entre 1971 a 1978. Foi nesse período, conhecido como Milagre Econômico, que a imprensa começou a publicar, com destaque, matérias de economia. O suplemento, editado por Ismar Cardona, fazia análises sobre a conjuntura que o setor de política não conseguia aprofundar por causa das imposições do regime militar. Em entrevista ao Memória Globo, o jornalista comentou: “ O Evandro me deu carta branca para montar a editoria de Economia. A gente chegou a ter uma equipe com quase 30 pessoas. Era o auge do milagre brasileiro. Toda discussão política, especialmente no governo Geisel, passava pela economia. Nós chegamos a ter até quatorze páginas para fechar num dia. A política era uma ou duas páginas. A política era o 'patinho feio' dos jornais.”

O Panorama Econômico, lembra o editor George Vidor, revelava o que acontecia no Brasil pela ótica econômica e abria caminho para o debate numa época em que a imprensa vivia sob censura: “ É importante frisar para ficar na história, para que todos saibam daqui a 50 anos, quando se lembrarem do período autoritário do regime militar, que nós, na medida do possível, entrevistamos para o suplemento personalidades que haviam sido banidas do país e que,  até então, não eram ouvidas”.