Desde o lançamento, O Globo privilegiou diversas categorias profissionais que abrilhantaram a produção jornalística ao longo dos anos. Contou com talentos na caricatura, ilustração, fotografia, colunas, seções, cadernos e suplementos. O jornal é um colecionador de prêmios em função da sua qualidade editorial e respeito ao leitor. 


Economia

Nos anos em que as redações viviam sob censura, uma das saídas encontradas pelo Globo foi apostar em discussões sobre Economia. Era a oportunidade de debater os problemas do país sob outra ótica que não fosse diretamente a política. A coluna Panorama Econômico surgiu nesse contexto.

A proposta do jornal era criar uma seção que juntasse informações, comentários e pequenas notas. Dirigidos por Ismar Cardona, escreveram no Panorama Econômico os jornalistas Angela Coronel, George Vidor, Luiz Alberto Bittencourt e Wilson Thimóteo, entre outros. Em 1986, Vidor assumiu o cargo de editor de Economia e passou a assinar a coluna. Ele lembra como era trabalhar naquela fase de O Globo: “O Ismar mesclava a equipe entre pessoas mais experientes e jovens. Os mais jovens para correr atrás das notícias e os mais experientes para dar embasamento às notícias que a gente trazia.”

O jornalista Luiz Alberto Bittencourt conta: “O Panorama, ao ser folheado, causava a impressão de um bom produto, de qualidade e bem feito. Um produto profissional. Depois, a leitura de alguns desses títulos mostrava que o Globo resolvera competir. Porque você não compete fazendo matéria óbvia. Compete dando “furo”, antecipando fatos, sendo um pouco emulador de um debate. E foi isso que o Panorama fez.”