A partir do final da década de 1980, a Som Livre se firma no mercado com o lançamento de discos que viraram uma verdadeira febre. A trilha da novela O Rei do Gado, de Benedito Ruy Barbosa, vendeu mais de um milhão de cópias, em menos de um mês. Com o surgimento da internet, a Som Livre criou, em 1999, sua primeira loja virtual.


Os anos recentes

Quando Chega a Noite - Luan Santana, 2012. Som Livre Grandes transformações na indústria da música nos últimos anos levaram o mercado brasileiro a uma situação peculiar em que, a um ponto, havia somente duas grandes gravadoras multinacionais com atuação relevante, Sony e Universal. Com isso, a cada dia mais dos novos artistas brasileiros começaram a enxergar a Som Livre como sua melhor opção.

Ao mesmo tempo, os avanços tecnológicos que permitiram ao público fácil acesso digital a um sem número de músicas individuais, ou a catálogos completos, reduziram muito o tamanho do mercado de compilações que eram o principal negócio da Som Livre. O primeiro fato se apresentou como uma oportunidade para o desafio que o segundo fato representava. Assim, a Som Livre começou sua nova investida em contratação de artistas o que, por um lado, originou o slap, e por outro, levou a gravadora a formar o maior e mais relevante elenco do Brasil de 2009 até hoje, consolidando-se, definitivamente, como a maior gravadora genuinamente brasileira e uma das três maiores atuando no Brasil.

"Uma coisa que a gente sempre buscou fazer e que continua buscando, é abrir portas para novos artistas."  Marcelo Soares, diretor-geral da Som Livre

Nesse período, os principais gêneros musicais à venda no Brasil são dominados por artistas da Som Livre: o sertanejo com Luan Santana, Michel Teló, Gusttavo Lima, Fernando e Sorocaba e Jorge e Mateus; o pagode com Exaltasamba, Thiaguinho e Sorriso Maroto; o forró com Aviões do Forró e Garota Safada; o religioso com Diante do Trono e Padre Reginaldo Manzotti.