Nos primeiros anos da segunda década do século XXI, a qualidade dos produtos da Globo continuou sendo reconhecida tanto internamente, quanto fora do país. Às vésperas de completar 50 anos, a televisão criada por Roberto Marinho nos anos 1960 faturou três prêmios Emmy Internacional, um de melhor telenovela – com o remake de O Astro –, um na categoria Comédia – com o seriado Mulher Invisível – e o conferido ao Jornal Nacional, na categoria Notícia, pela cobertura da ocupação da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão pelas forças públicas de segurança do Rio de Janeiro, em 2010. Nessa década, as redes sociais entraram em cena na estreita relação do público com a televisão.

No comando da emissora, Octávio Florisbal deixou a direção geral em dezembro de 2012 e passou a fazer parte do Conselho de Administração das Organizações Globo. Carlos Henrique Schroder, até então diretor geral de Jornalismo e Esportes, assumiu o cargo de diretor geral da emissora com a missão de aprimorar a qualidade da programação e promover a criatividade e a inovação nos conteúdos para TV e para as demais plataformas digitais.


Esporte

Em 2010, a seleção da Espanha venceu a Copa do Mundo de Futebol da África do Sul ao derrotar a Holanda, em Johanesburgo, com um gol nos minutos finais da prorrogação. Para a cobertura do evento, a Globo enviou uma equipe com 170 profissionais, além da integração com a equipe do SporTV e da produção local. Parte da equipe se dedicou especialmente a acompanhar a rotina da Seleção Brasileira, enquanto outra parte, formada por repórteres itinerantes, acompanhou as seleções dos demais países, utilizando equipamentos digitais e laptops com softwares de edição e de envio de matérias por redes de Internet 3G. 

No ano seguinte, a Globo passou a transmitir o UFC Combate, maior evento de MMA (Mixed Martial Arts – Artes Marciais Mistas) do planeta. A estreia, com o duelo entre o brasileiro Junior Cigano e o americano Cain Velasquez, teve narração de Galvão Bueno e comentários do lutador Vitor Belfort. 

Outra estreia que marcou o ano de 2011 foi o quadro Planeta Extremo, exibido no Fantástico. A série traz os repórteres Clayton Conservani e Carol Barcellos mostrando os limites do ser humano nos locais mais inóspitos da Terra. No ano seguinte, a série foi uma das finalistas do Emmy Internacional e, em 2014, a Globo anunciou sua transformação em programa da grade, a ser exibido após o Fantástico

Em 2013, o Brasil sediou a Copa das Confederações e a Seleção Brasileira venceu a competição, ao derrotar a Espanha, então campeã mundial, por 3 a 0. Para a cobertura, a Globo mobilizou uma equipe de 190 profissionais que acompanharam a rotina dos jogadores da Seleção Brasileira e das outras sete equipes. Entre as novidades na transmissão estava o Campo Virtual, que permitiu que os comentaristas participassem digitalmente do campo de jogo, podendo analisar os lances em um ambiente tridimensional, com os jogadores exibidos em tamanho real. Outra novidade foi a Mesa Tática, “um jogo de botão do terceiro milênio”, de acordo com o apresentador Thiago Leifert. A tecnologia analisa o esquema tático da equipe e reproduz o posicionamento dos atletas durante a partida.  

A experiência de 2013 serviu de teste para a maior e mais desafiadora cobertura esportiva da Globo: a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil. Toda a rede – formada por 5 emissoras e 117 afiliadas – foi mobilizada para cobrir as 12 cidades-sede que receberam o Mundial e os 32 centros de treinamento das seleções. A Globo exibiu todos os 64 jogos da Copa do Mundo, sendo 56 deles ao vivo e oito, que aconteceram simultaneamente, em compactos de uma hora. A cobertura mobilizou mais de 2500 profissionais, sendo oito equipes de reportagem dedicadas exclusivamente à Seleção Brasileira. Uma redação com 40 postos de trabalho foi montada na Granja Comary, sede da Seleção durante a Copa, para abrigar as equipes da Globo, do SporTV e do GE.com durante o Mundial. 

Na Fórmula 1, a Globo inovou, na temporada de 2012, ao ampliar o número de câmeras e ao levar o ex-piloto e comentarista Luciano Burti ao grid para conversar ao vivo com os pilotos, minutos antes das corridas. A emissora passou a transmitir a corrida 20 minutos antes da largada, mostrando a movimentação dos boxes e os preparativos para a prova. Na temporada de 2013, o piloto Rubinho Barrichello estreou na Globo como comentarista. 

Nesse ano, o vôlei também ganhou destaque na programação da emissora. Além dos jogos da fase decisiva da Superliga de Vôlei masculina e feminina, a Globo anunciou a exibição dos jogos da seleção na Liga Mundial de Vôlei.