A Central Globo de Produção (CGP), o Projac, foi inaugurada em 2 de outubro de 1995. É o maior centro de produção de TV da América Latina, e um dos mais modernos do mundo, que reúne em um único complexo todas as etapas de produção de programas. Uma verdadeira cidade, por onde circulam cerca de 6 mil pessoas por dia.


Inauguração

Roberto Marinho na inauguração do PROJAC, 1995. Nelson Di Rago/TV GloboNa presença de 500 pessoas, entre atores, produtores, técnicos e diretores, Roberto Marinho bateu a claquete que dava início à gravação da primeira cena de estúdio de Explode Coração, de Gloria Perez, a novela que inaugurou oficialmente o Projac. O jornalista estava acompanhado dos filhos Roberto Irineu, João Roberto e José Roberto, e da esposa, D. Lily de Carvalho Marinho. 

“Fiquei tão nervoso, como se estivesse no lugar dos outros colegas que estavam gravando a cena. Porque aquele era o nosso palco, o presente que o Dr. Roberto estava dando para a nossa classe”, afirma o ator Reginaldo Faria.

O ator Stênio Garcia, que integrava o elenco de Explode Coração, também se recorda do dia. “Lembro perfeitamente que ficamos esperando a chegada do Dr. Roberto. O Dennis (Carvalho) tinha ido buscá-lo de carrinho. Ele chegou e cumprimentou um por um, com aquela simpatia, aquele carinho que ele tinha pelos atores. E fez a claquete da primeira cena gravada no Projac. Foi memorável”.

“O Projac é um marco na evolução da televisão brasileira. E a presença do Dr. Roberto é fundamental nisso, pela coragem que ele teve de construir um centro com essa capacidade de produção”, ressalta Edson Pimentel, ex-diretor executivo de Competências da Central Globo de Produção, e atual diretor da Globo Filmes.

“O Projac foi uma necessidade, algo de que precisávamos já há muito tempo. A TV Globo tinha muitos endereços, o que gerava um custo financeiro muito alto, aquela enormidade de caminhões carregando cenários. Os cenários das novelas eram desmontados e levados para Bonsucesso, era um dinheiro que não tinha mais tamanho”, conta o diretor Daniel Filho, referindo-se ao bairro da Zona Norte do Rio onde ficava a fábrica de cenários da Globo.

Antes do Projac, as gravações das novelas e dos demais programas da Globo eram espalhadas por diversos cantos da cidade. Além de utilizar os estúdios da emissora no Jardim Botânico – hoje dedicados exclusivamente ao jornalismo e ao esporte –, a Globo alugava os estúdios da Cinédia, da Tycoon e os de Renato Aragão para dar conta de todas as produções de entretenimento.