Roberto Marinho começou a colecionar quadros na década de 1930. Não recorria a marchands. Era amigo de pintores e adquiria as peças diretamente em ateliês. Comprava por opção pessoal, com o coração. Frequentava vernissages, exposições e bienais, desenvolvendo o gosto refinado pela arte e pela cultura que o acompanhou a vida inteira.


Quadros em Portugal

Parte da coleção de Roberto Marinho foi exposta na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, em 1989. Cento e vinte e oito quadros foram levados para Portugal, representando seis décadas da pintura brasileira. A única artista europeia na mostra foi a pintora  portuguesa Maria Helena Vieira da Silva, apresentada ao jornalista na ocasião. O curador da exposição foi Max Perlingeiro,  que optou por dar maior destaque aos abstracionistas, como Antonio Bandeira. No catálogo da exposição, havia um artigo sobre as semelhanças entre Bandeira e Vieira da Silva.