Burle Marx

Burle Marx, sem título, 1941. Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro
Burle Marx, Sem título, 1941.
Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro

Burle Marx, sem título, 1942. Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro
Burle Marx, Sem título, 1942.
Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro

Os vasos de flores representam a  paixão do artista plástico e paisagista pela flora brasileira. As duas obras participaram da exposição Roberto Burle Marx 100 Anos: A Permanência do Instável, no Paço Imperial, RJ, 2008 e no Museu de Arte Moderna, SP, 2009.

Burle Marx Sem título, 1943 Óleo/tela Foto: Cristiana Isidoro
Burle Marx, Sem título, 1943.
Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro

Burle Marx, sem título, 1941. Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro
Burle Marx, Sem título, 1941.
Óleo/tela. Foto: Cristiana Isidoro

A boemia da Lapa, no centro do Rio de Janeiro, também serviu de inspiração para Burle Marx. A obra (a terceira da página) esteve na exposição Roberto Burle Marx, Bolsa de Arte do Rio de Janeiro, RJ, em 1994.

Figuras familiares, sem faces definidas, em cenas diárias revelam uma forma abstrata de traduzir o ser humano. A obra (a última da página) foi exposta nas exposições 43 Anos de Pintura Roberto Burle Marx, no Museu de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte, MG, em 1972; e em Roberto Burle Marx, na Bolsa de Arte do Rio de Janeiro, em 1994.